Pe. Manuel Ribeiro

Do desprendimento à liberdade

O tempo santo da Quaresma é uma oportunidade, única e irrepetível, de mudança positiva nas nossas vidas. A santa Quaresma é, essencialmente, renovadora e transformadora da alma, transfigura-nos com o rosto de Cristo Jesus convidando-nos incessantemente à libertação do velho, da matéria, do ego, e para o nascimento de algo completamente novo e belo. Esta dinâmica de morte/vida e crucificação/ressurreição é uma tensão permanente neste tempo santo.


O coração pesado

Gostava de fazer esta reflexão a partir do seguinte trecho do Evangelho de São Lucas: “Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados com a intemperança, a embriaguez e as preocupações da vida e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha” (Lc 21, 34). Gosto, em especial, de ler o último Evangelho de cada Ano Litúrgico. Este texto sagrado gerou em mim a consciência acerca do perigo em pensarmos que somos, apenas e só, personagens da nossa própria vida ou da nossa própria história.


Que eu seja o presente

em hoje, deprimido pelo passado que foi e na ansiedade do que há de ser. Paralelamente, olhamos para o presente como uma oportunidade de fruir o mais possível como se não houvesse amanhã, como se tudo se cingisse às vivências desenfreadas das emoções e das sensações corpóreas. Tudo muito poroso, na verdade...


O amor tem a forma da cruz

“O amor tem uma forma de cruz”. Bela esta expressão. O amor, em vez de ter a forma do coração, tem a forma da cruz. Nos tempos actuais e na cultura dominante a cruz está fora de moda. A cruz é escandalosa! O mundo de hoje rejeita a cruz e não concebe que o acto maior de amar implica – sempre – abraçar a cruz. Na verdade, a cruz recorda-nos como é árduo e trabalhoso amar, onde a opção pelo amor nos exige sempre tudo.


O medo de si

Neste contexto tão peculiar, tão diferente e tão incerto, o existencialismo humano assume redobrada importância e um renovado espaço reflexivo nos fóruns íntimos e sociais da pessoa e da comunidade.


Da liberdade de pensar à liberdade de escolha

Depois de ler o mais recente livro de Bernard-Henri Lévy (“Este vírus que nos enlouquece”) – que, aliás, muito recomendo – fiquei maravilhado com a ousadia e a argúcia com que este filósofo contemporâneo soube abordar, quer do ponto de vista social, quer do ponto de vista político, o tão eclético, transversal e polémico tema do ´fique em casa’ e do ‘politicamente correcto’.


Assinaturas MDB