A opinião de ...

O ano vai mal, se não há três cheias antes do Natal.

O período natalício aproxima-se a passos largos, os dias continuam a “minguar” a cada jornada que passa, continuaremos a perder minutos de luz solar até à chegada do inverno astronómico, que arrancará em Portugal e no hemisfério norte às 4h19 (Lisboa), do próximo dia 22, como sabem em meteorologia, as estações do ano não seguem o calendário astronómico, tendo assim começado o inverno meteorológico no passado dia 1 de dezembro, durará até ao próximo dia 29 de fevereiro de 2019.
Na semana passada falei-vos da chegada das altas pressões, que significam “bom tempo” na região, a chuva cessou como o previsto e as temperaturas desceram para valores próximos ao habitual para a época, também assistimos ao aparecimento das habituais geadas e nevoeiros nos vales e terras baixas, mas será que é um padrão duradouro?
No curto prazo é consensual a continuação nos próximos dias de um tempo muito estável, sem precipitação e com temperaturas frescas, em especial as mínimas, continuaremos a registar geadas, cenário que se deverá manter pelo menos até ao próximo dia 7, em Bragança as mínimas devem rondar os 0ºC e as máximas os 11ºC, a partir de dia 8, ainda que com muita incerteza, é expectável um aumento da probabilidade de precipitação na região, uma ligeira subida das mínimas, já sem geadas e uma pequena descida das máximas, padrão que poderia impor-se na segunda metade de mês e portanto na época natalícia, situação que acompanharei nas próximas edições.
Então e a seca? Está resolvida? Não, não está, embora ainda não disponha do relatório oficial do IPMA a finais de novembro e apesar recuperação espetacular dos níveis de água no solo em toda a região, ainda não me parece suficiente para se dar a situação de seca como resolvida na maior parte da nossa região, possivelmente terá chovido na média ou até acima da média mensal em novembro, mas não chega para suprir as necessidades de reposição dos lençóis freáticos, desgastados por meses e meses de secura extrema e tanto assim é, que os rios e ribeiras da região continuam com caudais muito tímidos.
Na bacia hidrográfica do Douro, a recuperação do último mês foi notável, em outubro registava 60.9% de água armazenada, subindo em novembro para 67.4%, também as principais albufeiras da nossa região aumentaram o seu armazenamento, Serra da Serrada que abastece a cidade Bragança está a 100% e o Azibo em Macedo de Cavaleiros está a 81.3%.
Dada a distância temporal das previsões, aconselho que sigam diariamente as atualizações de toda a informação na página de Facebook e Twitter do Meteo Trás-os-Montes.

Edição
3759